O tártaro em cães e gatos é uma condição bastante comum e pode gerar consequências de saúde graves. Afinal, o seu bichinho usa os dentes e as gengivas todo dia para se alimentar e a sua qualidade de vida depende disso. Por isso, é muito importante prestarmos atenção na saúde bucal de nossos pets.

Visitas ao veterinário frequentes certamente te ajudarão a estar em dia com a gengiva e os dentes do seu animalzinho, mas existem formas simples e saudáveis de prevenir a formação de placas. Neste artigo, iremos te ensinar tudo sobre elas. Vamos lá?

O que é tártaro?

Antes de mais nada, o tártaro é uma placa de bactérias que surge devido ao acúmulo de restos de comida nos dentes do pet. Tais sujeirinhas vão se acumulando e eventualmente formam o tártaro, também conhecido como cálculo dentário.

Essa condição atinge os dentes de muitos animais domésticos, mas pode ser prevenida e tratada. Muitos tutores acabam ignorando a saúde bucal de seus pets e acabam recorrendo à ajuda quando já é tarde. O ideal é estar em dia e prevenir.

Tártaro em cães

Se o tártaro não for tratado a tempo, pode vir a causar problemas de saúde paralelos, como meningite e outras infecções generalizadas. Isso acontece quando a placa bacteriana dos dentes entra em contato com os vasos sanguíneos, aumentando a área de alcance da bactéria e proliferando outras doenças.

Causas do tártaro em cães e gatos

Para falar sobre as causas de tártaro em pets, é essencial que falemos primeiro sobre nutrição. Nutrição é um componente chave para quem preza pela saúde do seu cachorro ou gato e, por consequência, pela saúde de suas gengivas e dentes.

É muito comum ouvirmos recomendações para escovarmos os dentes de nossos cães e gatos com frequência. No entanto, na natureza, eles não teriam acesso à escovação e pastas de dentes especialmente formuladas para pets. Isso significa então que eles ficariam sem dentes por causa do tártaro e eventualmente morreriam de fome?

Provavelmente não. Como podemos concluir, a saúde bucal dos nossos animais não depende da escovação de dentes. A resposta está na nutrição. Na natureza, seu cãozinho ou gatinho iria se alimentar majoritariamente de pequenos animais. Isso significa que não só eles estariam consumindo carnes cruas, mas também estariam ingerindo e/ou roendo ossos crus.

Tártaro em cães e gatos

Além disso, outro fator importante a ser considerado é a composição das rações secas que costumamos oferecer aos nossos animais. É muito comum encontrarmos um alto teor de carboidratos nelas. Seu gatinho é um carnívoro essencial, o que significa que não consumiria carboidratos na natureza. Seu cão, mesmo não sendo carnívoro essencial, dificilmente consumiria alimentos com o teor de carboidrato encontrado em rações.

Diferentemente de nós humanos, cães e gatos não possuem na saliva a enzima necessária para quebrar carboidratos e açúcares (chamada de amilase). Isso leva ao acúmulo rápido de placas e se torna mais uma causa para o desenvolvimento do tártaro.

Partindo dessa ideia, fica fácil de entender que a alimentação do seu bicho influencia diretamente na existência ou não de tártaro. Portanto, a causa principal do tártaro em cães e gatos é a alimentação, simples assim.

Vale dizer, ainda, que alguns animais possuem o pH bucal mais propício ao acúmulo de tártaro, assim como algumas pessoas têm mais tendência para ter placa. Raças pequenas, por exemplo, são mais propensas a ter tártaro que raças de animais maiores, mas isso não é uma regra.

Como prevenir o tártaro em cães e gatos?

Reiterando o que falamos acima, as melhores práticas são aquelas que reproduzem o que o seu cãozinho ou gatinho comeria na natureza. Por isso, uma dieta crua é a melhor solução para evitar o tártaro, pois imita a ação de puxar e dilacerar o alimento que os animais usam na natureza – rasgando a carne e removendo-a dos ossos. Essa mecânica estimula a gengiva dos bichinhos e, consequentemente, deixa os dentes mais limpos.

Outra prática essencial na prevenção do tártaro é estimular seu bichinho a roer e/ou ingerir ossos crus: esse hábito elimina naturalmente cálculos dentários e ajuda na manutenção de dentes saudáveis. Existe uma enorme variedade de brinquedos mastigáveis e de roer, além de ossos naturais, crus e de nylon para oferecer ao seu cãozinho. Pescoços de galinha crus são uma ótima opção para gatos (já que felinos não possuem o hábito de roer, como acontece com canídeos).

Tártaro em cães e gatos
Na prevenção ao tártaro, as melhores práticas são aquelas que reproduzem o que o seu cãozinho ou gatinho comeria na natureza

Para cães, roer é tão importante quanto comer – não só para a saúde bucal, mas também para um bom comportamento. Seu cachorro deve poder expressar os comportamentos que são naturais da sua espécie, e roer é um deles. E para que seu bichinho não precise roer sapatos, móveis ou estragar outros itens da casa, é essencial que o tutor forneça brinquedos específicos para o seu cão se entreter e exercer essa atividade da melhor forma.

Oferecer ossos crus, independentemente do tipo de alimentação que você dá ao seu animal, é uma forma incrível de deixar o seu cão ou gato limpar seus dentes naturalmente e ainda ingerir uma ótima fonte de cálcio. Nunca cozinhe os ossos porque eles podem soltar lascas, ficar pontiagudos e causar feridas graves quando ingeridos.

Agora, se você está na dúvida sobre qual o tamanho do osso ideal para dar ao seu pet, entenda uma regra básica: o osso deve ser sempre maior que a cabeça do seu animal. Assim, você facilita a diversão e evita que o seu bicho engasgue com o osso. O ideal é consultar o seu veterinário nutricionista sobre qual é a melhor opção para o seu bichinho especificamente.

Tártaro em cães
Brinquedos mastigáveis, de roer ou ossos crus são as melhores opções para prevenir tártaro em cães. Estimule esse hábito

Por último, se o seu cão ou gato não demonstrou interesse por ossos crus, a escovação dos dentes do seu animal é uma opção. Há maneiras naturais de prevenir o tártaro no seu pet. Porém, a escovação pode servir em animais que não se adaptam ao hábito de consumir ossos crus. Neste caso, procure escovas e pastas específicos para caninos ou felinos, e consulte seu veterinário para mais informações sobre como realizar o procedimento de escovação.

Então tenho que deixar de dar ração seca ao meu pet?

Sabemos que a alimentação natural crua nem sempre é uma opção (seja por tempo, dinheiro ou mesmo preferência do seu animal). Se você está considerando trocar a alimentação do seu cão ou gato para alimentação natural, não deixe de consultar um veterinário especializado em nutrição. É importantíssimo que essa dieta seja balanceada e suplementada de acordo com as necessidades nutricionais específicas do seu animal – e só um profissional da área vai poder te dizer isso, ok?

Os grãos duros da ração seca podem não ser abrasivos o suficiente para evitar o acúmulo de cálculo dentário. E, como falamos acima, a composição das rações pode ser prejudicial à saúde bucal do seu pet. Ainda assim, é importante se certificar de que seu pet consuma rações com alta qualidade nutricional para evitar mais facilmente este tipo de problema. Para entender melhor sobre as composições de ração para gato ou ração para cachorro, confira nossos artigos com tudo o que você precisa saber sobre rações secas.

Preciso escovar os dentes do meu cachorro ou gato?

Humanos precisam de escova e pasta de dente para limpar os dentes, correto? Da mesma forma, cães e gatos também precisam de recursos para garantir a limpeza frequente dos seus dentes. No caso, não se trata de escova e pastas específicos, mas sim de ossos e alimentos abrasivos, que auxiliam na remoção natural do tártaro de seus dentes.

Evolutivamente, cães e gatos sempre se alimentaram de carne crua e tiveram acesso a ossos crus, e a própria forma de consumir este alimento era o segredo para sua higiene bucal.

Tártaro em gatos
Para prevenir o tártaro em gatos, experimente oferecer ossos crus ao seu bichano. Pescoços de galinha crus são uma boa opção para gatos.

Sendo assim: não, cães e gatos não precisam ter seus dentes escovados com escovas e pastas específicas para pet. Recomendamos que essa seja a última opção na hora de pensar em prevenção de tártaro para o seu bichinho. Mas claro, sempre siga as orientações do seu médico veterinário.

Como identificar se meu pet está com tártaro?

Um dos primeiros sinais de que seu cachorro ou gato pode estar desenvolvendo cálculo dentário é o mau hálito

A causa do famoso bafinho que alguns pets apresentam é o acúmulo de bactérias na boca. Essa sujeirinha, com o tempo, pode começar a escurecer os dentes do animal. Os dentes afetados pelo tártaro adquirem tonalidade amarela e podem até apresentar coloração marrom. Em ambos os casos, preocupe-se!

Tártaro em cães
Dentição canina com sinais de tártaro

Procure identificar se o seu cão ou gato apresenta a gengiva inflamada ou vermelha, o que também pode indicar que o tártaro está empurrando a gengiva e causando dor ao seu bichinho. Nestes casos, até o comportamento do pet pode mudar: devido à dor, o animal passa a comer menos, evitando a mastigação. 

Meu pet já está com tártaro, o que devo fazer?

Busque um médico-veterinário e leve seu cão ou gato para ser tratado. O tártaro é uma porta de entrada para outras doenças, que podem atingir os rins, fígado e até mesmo o coração de nossos amiguinhos. É uma condição séria que exige acompanhamento profissional.

É importante reiterar: não realize “soluções caseiras” para tratar o tártaro do seu animal. Nada que você fizer em casa vai eliminar por completo o tártaro do seu cachorro uma vez que ele estiver instalado. 

Nesses momentos, o médico-veterinário é o melhor amigo do seu bichinho! Ele é o profissional que sabe como tratar o tártaro corretamente, e também quem vai analisar se o seu pet precisa de cirurgia de limpeza de tártaro. 

Como é o tratamento e a limpeza do tártaro em pets? 

O médico-veterinário deve examinar seu animal e pode sugerir uma limpeza de tártaro, caso julgue necessário. As condições desse procedimento variam de bicho para bicho, e também do grau do tártaro que o animal apresenta. O procedimento pode ser feito com o animal acordado, levemente sedado, ou completamente anestesiado. 

Tártaro em cães e gatos
Para tratar tártaro, consulte sempre o médico-veterinário do seu animal

Para realizar o procedimento de limpeza de tártaro, são necessários exames pré-operatórios para ter certeza que seu bichinho está saudável e que pode ser anestesiado. São exames simples, rotineiros e o cão ou gato pode voltar para casa no mesmo dia.

Em casos mais avançados de tártaro, podem ser recomendadas pequenas “cirurgias” pelos médicos-veterinários para retirar o cálculo dentário. Neste caso, o procedimento é mais demorado e trabalhoso. 

Riscos da limpeza de tártaro

Como qualquer procedimento cirúrgico com anestesia, sempre existem riscos. Entretanto, os riscos são consideravelmente reduzidos se você tomar alguns cuidados básicos com a saúde do seu pet, como:

– realizar exames pré-operatórios;

– optar por uma clínica com infra-estrutura;

– escolher um bom veterinário para realizar os procedimentos no seu amigo;

– garantir a presença de um anestesista além do veterinário para realizar a limpeza.

Geralmente, você já cumpre todas as exigências acima caso seus bichinhos tenham acesso a cuidados veterinários de rotina. É importante ter sempre um profissional de confiança para te orientar em todas as etapas do procedimento.

A limpeza de tártaro em cães e gatos é chamada de cirurgia, mas o procedimento não conta com cortes nem é invasivo: na realidade, costuma ser muito simples. Já em casos mais graves, pode exigir extração de dentes.  

Tártaro volta?

Sim, é comum o tártaro voltar. Alguns tutores realizam o procedimento da limpeza de tártaro (tartarectomia) em seus pets de 6 em 6 meses ou de ano em ano. Mas, se você oferecer ossos crus e/ou escovar os dentes do seu pet com frequência, o tártaro certamente demorará mais para voltar.

O que mais você precisa saber sobre tártaro?

Existem, sim, opções de limpezas dentárias em pets que não exigem anestesia. Essa prática envolve a raspagem dos dentes do cão ou gato sem colocar o animal sob efeito da anestesia. Esse tipo de limpeza, no entanto, pode ser um evento traumático para o seu bichinho. 

Se nós não gostamos de ficar horas na cadeira do dentista com a boca aberta (mesmo compreendendo tudo que está acontecendo), imagine o seu bichinho. Ele precisará ser contido fisicamente para manter a boca aberta e provavelmente irá se assustar quando o veterinário se aproximar com os instrumentos para fazer a raspagem.

Além disso, o tártaro só se solta do dente com a raspagem, e sabemos que a sensação não é nada agradável. Animais podem ter dentes sensíveis, assim como humanos. Imagine a dor e o desconforto sem anestesia.

Por isso, não recomendamos o procedimento da limpeza sem anestesia. O melhor atendimento odontológico que seu pet pode receber é uma limpeza odontológica veterinária regular feita sob anestesia após a realização de exames pré-operatórios.


Precisa de ajuda para comprar um bom brinquedo mastigável para o seu bichinho? Está na dúvida de qual a melhor ração seca para oferecer ao seu gato ou cachorro? O time da GoApp.pet te ajuda! Nossos consultores, comportamentalistas e médicos-veterinários estão à disposição para te atender! É só mandar uma mensagem para (11) 95250-3604 que a gente tira as suas dúvidas 🙂


Sobre

Fernanda é jornalista e escreve sobre bichos e direitos animais desde 2018. É apaixonada por literatura, fotografia, adora ir à praia e não vive sem seus 3 gatos: Vagner, Olívia e Nina. Também é mãe da Lola, uma maltês de 8 aninhos, e da Quindim, uma bebê akita. Nas horas livres, assiste a vídeos engraçados de gatinhos.