Imagine a cena: você está comprando ração para o seu pet e se depara com termos como “Standard”, “Premium”, “Super Premium”, mas não sabe distinguir o que cada um representa. Ou, ao ler a composição da ração, encontra nomes como “quirera de arroz”, “antioxidantes BHA e BHT” ou “farinha de vísceras”… E, como qualquer outro tutor de pet, você não sabe o que são esses ingredientes. Provavelmente, todo tutor já se viu nessa posição. É comum não reconhecermos cada ingrediente presente na alimentação dos nossos bichinhos, mas é importante que saibamos porque estão ali. Por isso, hoje vamos decifrar os rótulos de rações de cães e gatos para ajudar você a tomar uma decisão mais informada na hora de escolher a alimentação do seu bichinho.

Nossa intenção não é separar ingredientes “bons” ou “ruins”’, “vilões” ou “mocinhos”. Nosso intuito é explicar porque cada ingrediente presente na ração do seu cão ou gato está ali, de forma didática e transparente. Afinal, cada animal tem necessidades nutricionais diferentes, e cada tutor tem seu orçamento.  O ideal é encontrarmos uma opção de ração que atenda tanto você quanto o seu animalzinho.

Para isso, chamamosa Zootecnista e Líder de Customer Excellence do time GoApp, Stefany Portugal, que conversou conosco sobre como as rações são feitas, deu detalhes do que é cada ingrediente e esclareceu dúvidas frequentes. Com sua expertise, vamos explicar o porquê de considerarmos alguns componentes essenciais ou não para a alimentação dos nossos pets, e destrinchar melhor o que tem na ração do seu cachorro ou gato. Vamos lá?

Tipos de alimentação

De início, vamos explicar os termos existentes nos rótulos de rações. No mercado, cada ração é categorizada como “standard”, “premium” ou “super premium”. Esses termos não apenas diferenciam marcas e preços, mas também significam mais ou menos qualidade na seleção dos ingredientes e na absorção de proteínas que cada uma promove. 

A base de uma alimentação para cães ou gatos é proteína. Proteínas de diferentes procedências estão presentes nas rações, e elas variam muito de acordo com a categoria da ração. Sobre isso, nossa zootecnista Stefany explica: “Não basta se atentar ao valor total de proteínas de uma ração; o que importa é quanto o animal vai absorver dessa proteína”.

“Por exemplo, a farinha de penas é considerada proteína, apesar de prover uma absorção baixíssima. A quantidade de fezes aumentará consideravelmente já que seu cão terá que comer mais para saciar suas necessidades nutricionais. A proteína precisa ser de boa qualidade, e isso encarece a ração”, explica a zootecnista.

Não à toa, um dos principais diferenciais entre os tipos de ração é exatamente a absorção de proteínas: nas Rações Super Premium, ela chega a ser de 92% ou mais. Ou seja, quase toda a proteína presente na ração é aproveitada pelo organismo do seu cachorro ou gato. Em rações de categoria Premium, esse número cai para 80 até 65%. Por fim, as rações da categoria Standard proporcionam 65% de absorção da proteína ou menos.

Confira abaixo outras diferenças essenciais entre as rações Standard, Premium e Super Premium:

Ração Standard

Rações do tipo Standard são bastante comuns e populares, principalmente por serem as opções mais baratas e mais facilmente encontradas em supermercados ou pequenos comércios que vendem produtos pets.

No entanto, o baixo preço dessas rações é justamente devido à escolha de ingredientes de qualidade questionável, além de quase sempre contar com aditivos químicos como corantes e conservantes artificiais.

Nos rótulos de rações Standard, são quase sempre encontradas proteínas vegetais derivadas de milho ou soja como maioria na composição, e as proteínas de origem animal geralmente são de baixa absorção, como farinha de penas. Além disso, possuem menor variedade de legumes e frutas na composição, e carregam menos enriquecimento vitamínico e mineral. 

Alguns exemplos de marcas de rações Standard: Nero, Speed Dog.

Ração Premium

A rações Premium oferecem uma melhor seleção de ingredientes em comparação às Standard, uma vez que a composição dessas rações já conta com proteínas animais de melhor qualidade, como farinha de vísceras, farinha de carne e afins. Assim, oferece mais digestibilidade e torna a ração mais completa nutricionalmente para o seu pet.

Geralmente, rações Premium garantem um bom custo-benefício. Alguns exemplos de marcas de rações Premium: Golden, Dog Chow, Special Dog.

Ração Super Premium

Ingredientes de melhor qualidade custam mais caro; é o que acontece com ingredientes mais naturais e mais frescos. Tudo isso reflete diretamente no preço final da ração, assim como nos benefícios que aquela alimentação oferece à saúde do seu pet. É o caso das rações Super Premium e, por esse motivo, costumam ser as mais caras do mercado.

As rações Super Premium são feitas a partir de proteínas de alta qualidade e outros ingredientes cuidadosamente selecionados. Geralmente, contam com maior variedade de frutas, legumes e grãos de alto valor nutritivo (como cevada, quinoa, aveia ou sorgo).

Sendo assim, as rações super premium são uma alimentação completa de maior qualidade, e que oferecem maior digestibilidade. Portanto, seu pet come menos e se satisfaz mais.

No entanto, é preciso atenção, tutor! Alguns alimentos Super Premium também oferecem na composição transgênicos e conservantes artificiais que podem ser prejudiciais à saúde do seu pet, por mais que ofereçam proteínas mais digeríveis. Para descobrir quais são as melhores rações dentre as Super Premium, acesse o nosso Ranking de rações para cães ou para gatos e confira!

Alguns exemplos de marcas de rações Super Premium: N&D, Biofresh, Guabi Natural, Fórmula Natural, PremieR Pet.

Como ler o rótulo da ração do meu pet?

Ordem dos ingredientes

Antes de tudo, a regra mais importante na composição das rações ou qualquer outro alimento no mercado é: os ingredientes que vêm primeiro no rótulo são os que estão presentes em maior quantidade. Logo, a ordem dos ingredientes nos rótulos de rações começa com os ingredientes que mais têm para os que menos têm.

Por isso, quase sempre as proteínas (de origem animal ou vegetal), que são essenciais na alimentação dos nossos bichinhos, são os primeiros ingredientes a serem mencionados no rótulo de rações.

Nomes dos ingredientes

Este é um ponto de muita atenção. Afinal, todo tutor que já parou para ler os ingredientes da ração do seu pet certamente já se deparou com ingredientes cujos nomes nunca ouviu falar. “Algumas marcas de rações utilizam termos variados para nomear produtos de maior ou menor qualidade, buscando baratear o produto final. Assim, a ração acaba sendo menos custosa para o bolso do consumidor”, explica Stefany.

Por esse motivo, é comum que o mesmo ingrediente apareça em rótulos de rações com nomes diferentes. Isso acontece porque a regulamentação permite, e alguns nomes soam melhor que outros na embalagem (como “fibra de milho” ao invés de simplesmente “milho”; ou “carnes selecionadas” ao invés de “farinha de vísceras”, que podem ser a mesma coisa). 

Aliás, na hora de conferir as proteínas da ração, atente-se ao nome das fontes proteicas. Farinhas de carnes não são tão interessantes quanto carnes, por exemplo. “A origem das proteínas animais das rações normalmente são frango, peru, cordeiro, pato, carne de vaca ou as farinhas dessas carnes. Até porque subprodutos dessas carnes também são aceitos nas composições de rações, desde que não sejam a principal fonte de proteína animal”, conta a zootecnista. Sendo assim, farinhas de carnes podem ser subprodutos, já que são fontes de proteínas de menor qualidade. Elas podem conter impurezas, misturas com outros ingredientes… Portanto, atente-se quando encontrar muitas “farinhas” de proteína na ração do seu pet. Opções com mais carnes em vez de farinhas são sempre mais interessantes nutricionalmente.

Entenda o que tem na ração do seu cão ou gato (Foto: Zhaolong/Unsplash)

O que tem na ração do meu pet?

A ração de nossos cães e gatos é constituída por carnes e outras fontes de proteína animal, carboidratos e fibras provenientes de grãos e cereais, e frutas, legumes e verduras, além do enriquecimento vitamínico e mineral. Assim, os ingredientes presentes em cada ração podem variar, mas certamente se encaixam em algumas dessas categorias. 

O que de fato muda de uma ração da outra é a qualidade dos ingredientes, a procedência, a digestibilidade (absorção de proteína) e os diferenciais que cada uma oferece: se as carnes são frescas, se há carboidratos de baixo teor nutricional, se há um bom enriquecimento… Todos esses fatores alteram a qualidade da alimentação dos nossos bichinhos e também impactam no preço de cada ração. Lembrando aqui que estamos falando principalmente de rações comuns, sem questões de saúde como alergias ou restrições alimentares.

Sobre o custo-benefício de cada ração, a zootecnista da GoApp, Stefany Portugal, destaca: “Devemos levar em conta sempre o que cabe no bolso de cada tutor. No entanto, é um fato: quanto melhores as rações, mais caras elas serão. E ponderar sobre a qualidade da ração oferecida ao seu pet é essencial para evitar problemas futuros. Nesse caso, o barato sai caro, sim! Porque com uma ração de menor qualidade nutricional, o animal precisará comer mais para suprir suas necessidades, além de estar mais sujeito a problemas de saúde. Por isso, vale pensar na alimentação do seu bichinho de maneira carinhosa”. 

Vale, ainda, destacarmos outro ponto: não há grandes diferenças entre quais são os ingredientes mais frequentes em rações de cães e rações de gatos. Ambas têm, essencialmente, a mesma composição. O que varia de uma para a outra são as proporções de cada ingrediente: as rações para gatos costumam conter mais proteínas (mais de 30%), enquanto as de cães costumam ter entre 20 e 30% de proteína na composição.

“Outra diferença principal entre as rações de cão e gato é a presença da taurina em grandes quantidades na ração de gato. O gato tem deficiência de taurina por natureza, e é essencial que contenha o aminoácido nas rações dos felinos”, acrescentou a zootecnista.

Agora, vamos discutir quais são os principais ingredientes que você vai encontrar nos rótulos de rações, e vamos separar por categorias: ótima procedência, ingredientes controversos, e depois vamos mergulhar um pouco mais em proteínas, carboidratos e enriquecimento nutricional. Vamos lá?

Ingredientes de ótima procedência (pontos positivos na composição)

  • Tocoferol: antioxidante lipossolúvel que funciona como conservante natural, o tocoferol é basicamente vitamina E, que funciona como um ótimo substituto para conservantes artificiais e prejudiciais à saúde dos nossos bichinhos.
  • MOS e FOS: fruto-oligossacarídeos (FOS) e mananoligossacarídeos (MOS) são prebióticos e probióticos, bactérias do bem que ajudam e muito na saúde intestinal de cães e gatos. É um super plus nas rações!
  • Taurina: aminoácido essencial para rações de gatos, a taurina atua diretamente no funcionamento da retina dos felinos. Também é sempre um ponto positivo quando presente também na ração de cães, uma vez que ajuda no fortalecimento dos músculos cardíacos dos cachorros.
  • Levedura de cerveja: repleto de fibras, a levedura de cerveja é também um antioxidante, que além de muito palatável também ajuda no trato gastrointestinal dos pets. É uma ótima fonte de vitaminas do complexo B e fortalece a imunidade dos nossos cães e gatos.
  • Óleo de peixe: contém ômegas 3 e 6, ácidos graxos que auxiliam na redução da atividade inflamatória nas articulações dos nossos pets, e ajudam a fortalecer o seu sistema imunológico. Promove a saúde da pele e do pêlo.
  • Proteínas de boa procedência: miúdos, carnes de vísceras, ovo desidratado e carnes mecanicamente separadas são alguns exemplos. Caso você encontre essas proteínas na ração do seu pet, invista, pois são carnes de boa procedência.
  • Vegetais, frutas e legumes: podem aparecer desidratados ou não, mas geralmente são os ingredientes de mais fácil compreensão em todos os rótulos de rações. Afinal, seus nomes não têm segredos: cenoura, laranja, maçã, blueberry, espinafre, entre outros. De qualquer forma, sempre são ótimas pedidas para a saúde nutricional dos nossos bichinhos.

Ingredientes frequentes, porém controversos

Muitos ingredientes são frequentemente exibidos em vários rótulos de rações, mas nem por isso são bons para a alimentação dos nossos bichinhos. Inclusive, muitos desses ingredientes frequentes são controversos e seu uso é contestado. Por isso, abaixo nós explicamos alguns – e recomendamos evitá-los, se possível.

Corante Natural Caramelo

Presente em grande parte das rações no mercado, o corante caramelo II é utilizado para uniformizar a produção dos grãos de ração, deixando-os todos com a mesma cor caramelo ou marrom. Sua presença, no entanto, serve apenas para fins estéticos do grão da ração. 

Outras polêmicas também existem acerca do corante caramelo, como relatos de consumidores que relacionam reações alérgicas ao seu consumo, e uma discussão de longa data sobre o ingrediente ser ou não cancerígeno. De qualquer forma, as melhores rações do mercado não utilizam esse ingrediente. Se puder, evite também!

Outros corantes

Infelizmente, corantes artificiais estão presentes em muitas rações para cães e gatos, mesmo sendo ingredientes que fazem diferença apenas ao olhar humano, uma vez que servem para diferenciar as cores dos grãos de ração. 

Para os animais, no entanto, eles podem causar alergias, alterações comportamentais e outros problemas de saúde. Portanto, se puder evitar, fuja! Além do corante caramelo (que citamos acima), guarde estes nomes para se atentar e evitar nos rótulos de rações: Corante Azul Indigotina, Corante Amarelo Tartrazina e Corante Amarelo Crepúsculo.

Conservantes Artificiais (BHA e BHT)

São conservantes químicos derivados do petróleo, e são utilizados para preservar gorduras nos alimentos, porém muitos estudos já os associam a doenças como câncer e os apontam como causadores de infecções sistêmicas. Não à toa, são proibidos nos Estados Unidos, Canadá e muitos países da Europa.

No entanto, o BHA e o BHT ainda se mostram presentes em muitas rações para cães e gatos, pois são ingredientes de baixo custo para o mercado. Existem substitutos naturais para esses conservantes químicos, como o tocoferol (vitamina E), sendo possível eliminá-los da ração do seu animal. Por isso, atente-se a esses nomes nos rótulos de rações! 

Transgênicos

Alimentos transgênicos não são recomendados por utilizarem herbicidas cancerígenos para animais e humanos em sua produção. Muitas embalagens de petiscos possuem um “T” com um sinal amarelo indicando a presença desses componentes. Nos rótulos das rações, é possível observar sua presença sempre que há escrito milho seguido de um asterisco (como, por exemplo, farinha de milho*). Observe! E se puder, evite incluir alimentos transgênicos na dieta do seu cãozinho.

Quais ingredientes são proteínas?

A proteína é a parte mais importante da ração dos bichinhos, e ela pode aparecer de muitas formas na composição: carnes, farinhas, ovos desidratados e vísceras. Além disso, as proteínas podem ser de origem animal ou vegetal – como grão de bico, milho, soja, arroz, lentilha, etc.. 

As proteínas de origem animal podem provir de aves, suínos, ovinos ou peixes, e isso é normalmente explicado também no rótulo. Abaixo, separamos algumas comumente encontradas nos rótulos de rações, e explicamos um pouquinho o que seus nomes significam:

  • Carne, carne mecanicamente separada, farinha de carne ou farinha de vísceras: carros-chefe de uma boa ração, a qualidade das carnes e das vísceras presentes na alimentação é fundamental para a alimentação dos nossos animais. Na natureza, nossos bichinhos se alimentam de carnes frescas e também de vísceras, como pulmões, fígado, rins e outros órgãos.
  • Farinha de penas ou ossos: também são fontes de proteínas, mas como mencionamos no começo do artigo, farinha de pena ou de ossos são fontes proteínas que oferecem baixíssima absorção. Ou seja, é preciso que o animal coma mais para se sentir satisfeito.
  • Ovo desidratado: presentes em algumas rações Super Premium, os ovos desidratados também valem como ótimas opções de proteína.
  • Gordura de carnes: com baixo teor calórico, as gorduras tornam a ração muito mais palatável, atribuindo sabor e atraindo o pet ao alimento.

Milhos e outros carboidratos: por que eles estão na ração do meu pet?

Você já se perguntou por que muitas rações (principalmente das categorias Standard e Premium) possuem milho na composição? E ainda, em muitos casos, por que o milho é um dos ingredientes mais abundantes da ração?

A resposta é complexa, mas basicamente o milho e outros carboidratos como o arroz desempenham um papel estrutural nas rações do mercado brasileiro, e além disso são ingredientes de baixo custo, o que é interessante para baratear o preço da ração. Outro detalhe importante é que o milho presente nas rações brasileiras quase sempre é transgênico, e isso é possível observar também no rótulo – com o símbolo do triângulo com um “T” amarelo – e na descrição da composição da ração.

Nos rótulos de rações, o milho pode aparecer através de vários nomes:

  • Quirera de milho
  • Farelo de glúten de milho
  • Milho integral moído

Outros ingredientes que são carboidratos e estão frequentemente presentes em rações:

  • Quirera de arroz
  • Farelo de arroz
  • Farelo de trigo
  • Farelo de soja

No entanto, rações Super Premium com uma melhor seleção de ingredientes geralmente não contam com milho, soja ou arroz na composição, pois não são ingredientes muito interessantes nutricionalmente para cães e gatos. Existem cereais que ainda são carboidratos, mas que oferecem mais benefícios na alimentação dos nossos pets, como:

  • Aveia
  • Cevada
  • Quinoa
  • Sorgo
  • Semente de linhaça

“Enriquecimento” nas rações: o que é e para que serve?

Todos os rótulos de rações também contam com uma parte denominada “enriquecimento”, que consiste basicamente nos minerais e nutrientes que são adicionados à parte nas rações, para torná-las alimentos completos para os nossos bichinhos.

Entenda o que é o “enriquecimento” que existe nos rótulos de rações.

No Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) implica que é essencial que todas as rações possuam enriquecimento nutricional. Nas composições das rações, o enriquecimento é adicionado por quilo, e no rótulo podem aparecer nomes como:

  • Vitamina A
  • Vitaminas do complexo B
  • Vitamina C
  • Vitamina D3
  • Vitamina E
  • Vitamina K
  • Ácido fólico
  • Biotina
  • Minerais: ferro, cobre, zinco, manganês, selênio, iodo, cálcio, fósforo, sódio
  • Taurina 
  • Ômega 3 e ômega 6

O enriquecimento é um fator que varia de acordo com o tipo da ração (Standard, Premium ou Super Premium), mas certamente as rações Super Premium oferecem maior variedade e qualidade de nutrientes, vitaminas e sais minerais adicionados. 

“Os enriquecimentos adicionados a cada ração são desenvolvidos para atender animais de categorias similares, seja por peso, raça ou tamanho. No geral, são quase sempre os mesmos ingredientes padronizados, o que difere é a qualidade e a quantidade dos nutrientes adicionados de ração para ração”, acrescentou a zootecnista da GoApp.


Ufa! Conseguimos explicar os principais pontos relevantes para você, tutor, conseguir decifrar rótulos de rações. Entender o que tem na ração dos nossos bichinhos é um passo muito importante para conseguir cuidar melhor do seu pet, então se você ainda tem alguma dúvida ou sugestão sobre o tema, deixe um comentário abaixo ou envie para nós no nosso Instagram @goapp.pet, que vamos amar conversar com você. Ou, se preferir, chame a nossa equipe pelo WhatsApp que o nosso time de veterinários e zootecnistas te ajuda no que for possível, certo? Até mais!

Sobre

Fernanda é jornalista e escreve sobre bichos e direitos animais desde 2018. É apaixonada por literatura, fotografia, adora ir à praia e não vive sem seus 3 gatos: Vagner, Olívia e Nina. Também é mãe da Lola, uma maltês de 8 aninhos, e da Quindim, uma bebê akita. Nas horas livres, assiste a vídeos engraçados de gatinhos.