Todo proprietário de gato sabe que bichanos tendem a apresentar doenças no trato urinário. Os felinos são animais muito sensíveis e metódicos. Algo que os incomode ou atrapalhe sua rotina pode gerar estresse a ponto de os deixarem doentes. Mudança de casa, troca de comida, pessoas estranhas ou até mesmo cheiros diferentes podem influenciar a saúde do seu gatinho. Do mesmo jeito que nós somos fruto do ambiente em que vivemos, gatos também são. Manter seu animal em um ambiente saudável e observar mudanças de comportamento pode evitar muita coisa, mas nem sempre é suficiente.

Doença Idiopática do Trato Urinário Inferior dos Felinos (DITUIF) é um termo geral para distúrbios caracterizados por sintomas como sangue na urina, micção (ato de urinar) difícil ou dolorosa, passagem anormal e frequente da urina (o xixi fica pingando sem parar) e urinar em locais inadequados. São doenças que não apresentam causa física evidente, sendo elas a Cistite Idiopática Felina (CIF), a Síndrome Urológica Felina (SUF) e a Cistite Intersticial. Cada uma dessas três doenças atinge uma parte diferente do trato urinário do gato.

Essas condições se desenvolvem quando a bexiga e/ou a uretra (trato urinário inferior) ficam inflamadas sem nenhuma causa física. E, por incrível que pareça, isso acontece com frequência. É um comentário comum entre veterinários: quem nunca atendeu um gato com cistite ainda não trabalhou de verdade (porque TODO mundo já atendeu ao menos um). 

Antes de se diagnosticar as doenças idiopáticas, é preciso descartar as hipóteses de infecção bacteriana ou pedras/cristais urinários. A grande maioria das doenças urinárias (64%) é idiopática. Apenas 2% dos gatos com sintomas urinários apresentam infecções bacterianas, enquanto até 14% podem ter cristais ou pedras na urina. Em gatos idosos, essas porcentagens mudam à medida que se tornam mais propensos a desenvolver infecções ou doenças renais crônicas.

A DITUIF ocorre em gatos machos e fêmeas. Embora possa acometer qualquer idade, é mais comum entre um ano e meio a quatro anos, e incomum em gatos com menos de um ano de idade. Já em gatos com mais de dez anos, os problemas urinários geralmente são relacionados a doenças renais (que por sua vez podem ser relacionadas à idade ou à uma vida com alimentação não balanceada).

Sintomas

Os sintomas das doenças idiopáticas do trato urinário inferior são:

  • Micção difícil ou dolorosa (gato vai vocalizar ao urinar);
  • Sangue na urina, fora da caixa de areia;
  • Passagem anormal e frequente de urina (urina pode ficar “pingando” o tempo todo);
  • Urinar em locais inadequados;
  • Bloqueio do fluxo de urina através da uretra para fora do corpo (machos); e
  • Parede da bexiga espessa, firme e contraída, sentida pelo veterinário durante o exame físico (palpação).

Causas

Sendo idiopática, por definição, a doença que surge sem uma causa física conhecida. Muitas vezes, a DITUIF é causada por um evento ou alteração no ambiente do gato. Isso pode ser identificável, como uma obra que ocorre dentro ou perto da casa, a chegada de hóspedes ou a adição de um novo animal de estimação. O estresse do seu gato pode ocorrer sem nenhuma causa aparente também.

Diagnóstico

Diferenciar um problema urinário idiopático de uma infecção bacteriana ou obstrução por cálculos é bem simples, já que o diagnóstico será feito por meio de exames laboratoriais e de imagem. Seu veterinário pedirá uma série de exames e isso vai ajudar a descartar uma série de distúrbios, chegando assim ao diagnóstico. Algumas possibilidades descartadas são distúrbios metabólicos, incluindo vários tipos de pedras nos rins e obstruções.

Provavelmente um exame de urina será solicitado para determinar se existe uma causa física, como infecção bacteriana ou cristais urinários, que podem passar desapercebidos em exames de imagem. Um exame físico detalhado pode ajudar a ver se existem traumas físicos, distúrbios do sistema nervoso, anormalidades anatômicas ou algo tão simples quanto uma constipação, que pode ser a causa dos problemas urinários.

O seu veterinário deve pedir também uma ultrassonografia e/ou um raio-X. Os raios X são úteis para localizar pedras nos rins ou na bexiga, se houver suspeita, e a ultra é útil na visualização do tecido da bexiga urinária e do conteúdo da bexiga. É de rotina que, além desses exames específicos para o fechamento do diagnóstico, seja coletado um exame de sangue. Independente da causa do problema urinário, ele vai gerar mudanças metabólicas no seu bichano, e as reais consequências só podem ser avaliadas através do resultado do hemograma (células sanguíneas) e, principalmente, das enzimas bioquímicas (renais, hepáticas, etc.). 

Tratamento

Se o seu gato não apresentar obstrução da uretra, provavelmente será tratado ambulatorialmente (no consultório), embora talvez precise ser hospitalizado brevemente para que seja feita a avaliação diagnóstica. A maioria dos gatos com DITUIF se recupera com alguns dias de analgésicos e algumas mudanças ambientais.

As mudanças ambientais incluem a redução da exposição a fatores estressantes em casa. Isso pode ser tão simples quanto comprar um difusor (que vai soltar cheiros agradáveis e relaxantes para o seu gatinho), oferecer mais oportunidades para brincadeiras interativas ou mesmo proporcionar um local tranquilo para o seu gato se esconder.

Se o seu gato tiver DITUIF recorrente, o seu veterinário poderá recomendar alterações adicionais, como uma ração apropriada para problemas urinários. A comida prescrita reduz a probabilidade de recorrência de sintomas urinários. O objetivo é aumentar o volume de urina. Isso dilui as concentrações de toxinas, irritantes químicos e substâncias que levam à inflamação da bexiga e do trato urinário. A utilização de medicamentos próprios para o trato urinário vai depender do diagnóstico.

Os sintomas geralmente desaparecem dentro de quatro a sete dias após o início do tratamento. Se eles não desaparecerem, você precisará retornar ao seu veterinário para reavaliação e possível alteração de tratamento. 

Prevenção

Os meios de prevenir a recorrência dependerão do diagnóstico. Se houver algo no ambiente do seu animal de estimação que tenha provocado a condição, é claro que você será aconselhado a fazer alterações. Seu veterinário depende de você para ajudar a determinar o que pode ser feito.

Se nada puder ser especificado, seu veterinário discutirá as mudanças gerais que você pode fazer para manter seu gato saudável e feliz, como o enriquecimento ambiental e a mudança de alimentação. Uma boa dica para tutores é comprar um bebedouro para gatos, já que a maioria deles não curte beber água parada (por isso a fixação por beber água da pia ou do chão do chuveiro).

Um bebedouro não só vai entreter o seu gatinho, como também pode aumentar a ingestão de água dele, o que é muito importante para um trato urinário saudável. Quanto mais urina seu animal produzir, maior será a diluição das toxinas que ele precisa excretar. 

Vida e gestão

Seu veterinário continuará acompanhando seu gato através de análises de urina e provavelmente irá recomendar uma dieta para prevenir a recorrência de doenças urinárias. Lembre-se que as rações urinárias são menos palatáveis (saborosas) do que as normais, pois elas possuem menos gordura. Logo, a introduza gradualmente para não gerar estresse para o seu felino. Além da ração seca, também existem sachês próprios para gatos com problemas urinários.  

Manter uma alimentação e um ambiente saudável é essencial para a saúde do seu gatinho. Da mesma forma, as vacinas e os  remédios do seu felino devem estar em dia (anti pulgas e carrapato, vermífugos, etc.) para evitar idas desnecessárias ao veterinário e o estresse relacionado a elas. Por fim, sempre preste atenção no seu gato; você é quem o conhece melhor. Antes de demonstrar qualquer sintoma evidente, ele provavelmente apresentará alguma mudança em seu comportamento.

Se você é dono de gato e já passou por isso, conte para nós sua experiência. É só marcar @goappbr nas redes sociais 🙂

SobreNathalia e um paciente

Nathália é veterinária e, como boa profissional da área, é completamente apaixonada por bichos. É especializada em tratamento intensivo e internação de animais domésticos. Teve bichos sua vida inteira e hoje divide apartamento com duas gatinhas bem peculiares.