Se você tem cachorro em casa, provavelmente já ouviu falar da doença do carrapato. Para tutores de primeira viagem, encontrar o parasita no pêlo do seu animal pode assustar – e com razão, afinal o carrapato pode causar doenças graves e devemos tomar muito cuidado com elas. 

Antes de esclarecer a doença, sintomas e formas de tratamento, é importante ressaltar que a prevenção é sempre a melhor solução. Afinal, a doença do carrapato pode ser facilmente evitada com o uso correto e contínuo de antipulgas e carrapatos. E o melhor, você encontra esse medicamento em vários formatos: desde coleiras e spray até comprimidos e pipetas. Tudo depende da recomendação do seu veterinário e das preferências do seu pet!

Portanto, desapegue da crença de que medicação é apenas para remediar: neste caso, pode prevenir e até salvar a vida do seu cãozinho. Carrapatos são um problema real na vida dos cães e, por serem doenças tão recorrentes, alguns proprietários minimizam sua importância. Por isso, junto com a veterinária especialista do time GoApp Nathalia Magalhães, decidimos esclarecer tudo o que você precisa saber sobre a doença do carrapato. Vamos lá? 

O que é a doença do carrapato?

A doença do carrapato é uma infecção grave causada pelo parasita, e se apresenta através da erliquiose. Trata-se de uma enfermidade silenciosa que vai, lentamente, destruindo a medula óssea, os rins e o fígado do animal. Em casos mais graves, pode até causar meningite e ocasionar convulsões no cão. 

“A erliquiose normalmente é transmitida aos cães através das picadas de carrapatos que tiveram contato com animais doentes. O clima mais quente é um dos principais fatores que favorece a transmissão da doença do carrapato, por isso os parasitas são mais problemáticos determinadas áreas”, explica Nathalia.

Como identificar? Quais sintomas meu cachorro pode apresentar?

Os principais sintomas são febre, fraqueza, perda de apetite e até mesmo hemorragias. A veterinária conta que é comum, também, que esses sintomas estejam acompanhados de uma anemia severa, o que pode agravar ainda mais o quadro de saúde do seu bichinho. 

Como os sintomas são muitos e variados, pode acontecer também do animal doente apresentar urina com sangue, pneumonia, vômito e diarreia. Por isso, quando o tutor observar qualquer um desses sintomas, já é hora de correr ao veterinário para buscar o tratamento indicado.

E por mais que os sintomas possam variar de animal para animal, acredite: os sinais são bem claros para os veterinários. Por isso, é sempre recomendado que você confie na avaliação e no diagnóstico do profissional para ajudar o seu bichinho.

Estágios da Erliquiose

A doença do carrapato é perigosa e silenciosa, portanto os sintomas merecem atenção. Após serem picados por um carrapato portador da bactéria, os cães podem parecem perfeitamente normais por até três semanas e, se não receberem o tratamento durante este período, entram no que é conhecido como fase aguda da infecção. 

Durante esta fase, as bactérias se reproduzem ativamente e se espalham por todo o corpo. É aqui que os cães exibem uma variedade de sintomas, como:

  • Febre;
  • Letargia (animal fica sem energia para fazer as coisas);
  • Pouco apetite;
  • Vômito;
  • Mucosas hipocoradas (gengivas e céu da boca brancos e pálidos, indicando anemia);
  • Respiração ofegante (dificuldade de respirar);
  • Aumento dos linfonodos;
  • Hematomas e sangramentos anormais (epistaxe nasal);
  • Diarreia;
  • Inflamação ocular crônica; e
  • Anormalidades neurológicas (já em casos mais graves).

Esses sintomas geralmente duram de 2 a 4 semanas e, se não forem tratados, o animal pode acabar entrando na fase subclínica da doença, que pode durar meses ou anos. Em alguns casos, o cachorro pode aparentar ter melhorado por conta própria, mas isso não significa que a doença tenha amenizado.

Nestas ocasiões, é preciso atenção: o exame de sangue do animal pode apresentar uma baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia). Com isso, qualquer queda de imunidade pode trazer de volta todos os sintomas no animal.

Alguns cães nunca progridem para além da fase subclínica da doença, mas outros acabam entrando na fase crônica – em que os sintomas são semelhantes aos da fase aguda, mas quanto mais eles duram, mais difícil se tornam o tratamento e a recuperação do animal. 

Em casos mais graves ou onde há demora em iniciar o tratamento, o animal pode ser levado a óbito. 

Tratamento 

O principal tratamento para a doença do carrapato é a antibioticoterapia (antibiótico específico) por um período de 21 a 28 dias, junto com quaisquer outras medicações suporte para sintomas que o animal possa apresentar. 

Um protetor gástrico é sempre bem-vindo, principalmente se o seu cão precisa ingerir mais de uma medicação. Normalmente são associados ao antibiótico remédios para febre, apetite e vômito (mesmo que o animal não esteja apresentando esse sinal clínico). Só o médico veterinário do seu cão sabe o que é melhor especificamente para ele.

“Algumas vezes, medicações preventivas evitam que esse animal acabe tendo a necessidade de ficar internado. Se um cão recebe tratamento em tempo hábil, sua condição geralmente começa a melhorar rapidamente”, lembra a veterinária. Em casos mais graves, também podem ser necessários tratamentos adicionais como fluidos intravenosos, transfusões de sangue, medicamentos imunossupressores ou analgésicos. 

Prevenção

A erliquiose é uma doença muito séria e os cães que foram infectados uma vez podem desenvolvê-la novamente. Atualmente, não há vacina disponível para proteger os cães contra a doença do carrapato, embora pesquisas estejam sendo feitas para o desenvolvimento de uma. 

Por isso, a melhor maneira de impedir que os cães desenvolvam a doença é com a proteção do seu animal às picadas de carrapatos. Relembramos: a prevenção é sempre a melhor opção!

Seu veterinário pode recomendar a melhor forma de prevenir seu bicho contra carrapatos – lembrando que tudo varia de acordo com cada animal, com o estilo de vida do tutor e do cão e também da região em que moram.

Além disso, não achem que só existe carrapato na fazenda ou no mato. Eles podem ser encontrados em parques, pet shops, hoteizinhos ou até mesmo em cães com quem o seu amigo convive. Por isso, prefira a prevenção, sempre.

Esperamos ter conseguido esclarecer todas as suas dúvidas sobre a doença do carrapato. Se notar qualquer sintoma, vá logo ao veterinário – quanto antes o tratamento for iniciado, maiores as chances do seu cãozinho se recuperar. 

Ainda tem alguma dúvida sobre a doença? Precisa de orientação para escolher qual é o melhor antipulgas e carrapato para o seu cachorro? Mande uma mensagem pelas redes sociais @goappbr, ou pelo WhatsApp para o nosso time em (11) 95250-3604 que a gente te ajuda.

Sobre

Nathalia e um paciente

Nathália é veterinária e, como boa profissional da área, é completamente apaixonada por bichos. É especializada em tratamento intensivo e internação de animais domésticos. Teve bichos sua vida inteira e hoje divide apartamento com duas gatinhas bem peculiares.