Proprietários de cães dedicados tendem a ser pessoas muito gentis. Compartilhamos nossos corações e lares (e para alguns filhotes de sorte, até nossas camas) com nossos amigos caninos. Não há nada de errado em compartilhar nossos alimentos favoritos com eles também, certo? Não necessariamente. 

Muitos alimentos que os humanos digerem bem podem causar estragos no corpo de um cachorro. Por outro lado, alguns dos alimentos da dieta humana podem ser muito bem integrados à dieta de um cão. Inclusive, eles podem oferecer benefícios à saúde do animal, como o fortalecimento das articulações, melhor respiração e imunidade a alergias.

Lembre-se que mesmo alimentos saudáveis em excesso podem levar à obesidade canina, uma grande preocupação de saúde para cães. Sempre escolha uma alimentação própria para cachorros de qualidade como a principal dieta do seu cão. Caso seja do seu interesse, hoje existem marcas de comida natural para cães. Não se esqueça de consultar uma nutricionista para que ela avalie seu animal e monte uma dieta adequada e balanceada especificamente para ele. 

Dito isso, vamos ao que interessa:

Alimentos proibidos

Amêndoas: as amêndoas podem não ser necessariamente tóxicas para cães, mas podem bloquear o esôfago ou até rasgar a traquéia se não forem mastigadas completamente. As amêndoas salgadas são especialmente perigosas porque podem aumentar a retenção de água, o que é potencialmente fatal para os cães propensos a doenças cardíacas. 

Macadâmia: cães nunca devem comer macadâmia! Estes são alguns dos alimentos mais venenosos para eles. As nozes de macadâmia, parte da família Proteaceae, podem causar vômitos, aumento da temperatura corporal, incapacidade de andar e letargia. Pior ainda, elas podem afetar o sistema nervoso.

Sorvete: por mais refrescante que o sorvete seja, ele contém muito açúcar. Por isso, não o compartilhe com o seu cão. Além disso, alguns cães têm intolerância à lactose. Para evitar o leite, congele pedaços de morangos, bananas, maçãs e abacaxis para dar ao seu cão como uma guloseima doce e gelada. Ou, melhor ainda, recheie o Kong do seu cãozinho com uma das nossas receitas e o congele.

Chocolate: esta não é apenas uma lenda urbana. O chocolate contém substâncias tóxicas chamadas metilxantinas (teobromina e cafeína), que são estimulantes e interrompem o processo metabólico de um cão. Mesmo um pouco de chocolate, especialmente amargo, pode causar diarréia e vômito. Uma grande quantidade de chocolate pode causar convulsões, função cardíaca irregular e até óbito. Não deixe o chocolate em um local acessível para o seu cão. Se o seu cão ingerir chocolate, entre em contato com um veterinário o mais rápido possível.

Canela: embora a canela não seja realmente tóxica para os cães, provavelmente é melhor evitá-la. A canela e seus óleos podem irritar o interior da boca dos cães, deixando-os desconfortáveis ​​e doentes. Além disso, a canela também pode diminuir o açúcar no sangue de um cão e levar a diarréia, vômito, aumento ou diminuição da freqüência cardíaca e até doenças hepáticas (no fígado). Se os cães a inalarem, a canela em pó pode causar dificuldade de respiração, tosses e engasgos.

Alho: assim como a cebola, o alho-poró e a cebolinha, o alho faz parte da família Allium e é cinco vezes mais tóxico para os cães do que o restante das plantas da família. O alho pode causar anemia e efeitos colaterais como gengivas pálidas, batimento cardíaco elevado, fraqueza e desmaios. O envenenamento por alho e cebola pode ter efeito retardado (algum tempo depois da ingestão); portanto, se você acha que seu cão pode ter ingerido qualquer um desses alimentos, fique de olho por alguns dias, não apenas logo após o consumo.

Uva: cães não devem comer uvas ou uvas passas (que são uvas desidratadas) mesmo que descascadas ou sem sementes porque são perigosas em qualquer quantidade. Muitas vezes, as uvas são associadas a problemas renais graves. Cães adoram petiscar, mas existem muitas outras frutas e vegetais que eles podem comer de forma mais segura.

Abacate: o abacate é inofensivo para nós humanos. Já para os pets, essa fruta pode ser bastante perigosa por conter uma substância chamada Persina, altamente tóxica para nossos cães. Se ingerido em grandes quantidades, o abacate pode causar desarranjo intestinal grave e ser letal.

Bebidas alcóolicas: cães podem apresentar incoordenação, vômitos, convulsões se ingerirem bebidas alcóolicas. Se o teor alcóolico ingerido for muito alto, o animal pode até entrar em estado de choque. Se o cão tiver consumir bebidas alcóolicas com frequência, ele pode desenvolver a cirrose hepática (problema no fígado relacionada a consumo excessivo de álcool). Essa doença acomete a cães também, porém leva muito menos tempo para se desenvolver do que levaria num ser humano. 

Café: todos os estimulantes que contêm cafeína são muito perigosos para o sistema nervoso, urinário e cardíaco do seu cachorro. O café em excesso não é indicado nem para humanos e pode provocar reações perigosas no corpo do pet. Isso é explicado pelo aumento do ritmo dos batimentos cardíacos e pela sensação de euforia que toma conta dos cães. O cão pode ter convulsão, o que não é raro de acontecer e pode, inclusive, vir a falecer devido ao coração acelerado demais. Além disso, na maioria das vezes, o café contém açúcar ou adoçante. Ambos são altamente prejudiciais à saúde do animal.

Massas: bolos e outros tipos de massa também são alguns dos alimentos proibidos para cachorros. O fermento contido na massa, que a faz crescer, pode expandir no estômago do cão, fazendo com que o animal sofra com gases e cólicas. Em casos mais graves, a ingestão de massas pode levar a uma ruptura intestinal.

Ossos cozidos: é importante saber que ossos cozidos, incluindo aqueles que vêm de restos de mesa, não são seguros para os cães comerem. Eles podem facilmente quebrar e causar os mais diversos problemas. Cães que comem ossos cozidos podem sofrer danos nos dentes, na parte interna da boca e bloqueio na traqueia. Os ossos também podem se alojar no intestino do animal, bloqueando o sistema digestivo e impedindo que gases e outros materiais saiam do corpo. Esse processo leva o cachorro à toxicidade sanguínea e deixar o quadro sem tratamento pode levar o animal à óbito. Ossos também podem perfurar o trato gastrointestinal do seu cão, causando hemorragia interna ou deixando o cão suscetível a peritonite, infecção da mucosa da cavidade abdominal (se perfurar o intestino). O indicado é procurar um veterinário antes de oferecer ossos para seu cão, assim ele irá guiá-lo  sobre quais tipos de ossos devem ser dados para o seu cachorro (levando em consideração, por exemplo, o tamanho do animal) e o modo de preparo. Ossos naturais crus podem ser uma opção saudável e excelente para a limpeza dos dentes do seu cachorro, mas o acompanhamento de um profissional de saúde e / ou comportamento é altamente recomendado.

Alimentos não recomendados

Alguns alimentos não são exatamente proibidos, mas seu consumo não acrescenta nada (em termos nutricionais) na dieta do seu cão. Pelo contrário, em excesso ainda podem vir a causar problemas, seja por ser extremamente calórico ou por conter substâncias que podem afetar o sistema metabólico do seu cão. Nossa indicação é de que se puder, não ofereça. Sabemos que alguns do alimentos abaixo são muito usados como aliados, principalmente na hora que o cão precisa tomar medicação.

Pão: pequenas quantidades de pão comum (sem especiarias e, sem dúvida, sem passas) não prejudicam o seu cão, mas também não oferecem benefícios à saúde. O pão não tem valor nutricional interessante e contém alto nível de carboidratos e calorias. Pães caseiros são uma opção um pouco melhor, pois o pão do supermercado normalmente contém conservantes desnecessários, mas é melhor evitá-lo completamente.

Leite: alguns cães são intolerantes à lactose e não digerem bem o leite. Embora seja aceitável para muitos que os cães tomem um pouco de leite, os proprietários devem estar cientes dos sintomas da intolerância à lactose. Depois de sair da fase de filhote, o corpo não absorve mais os nutrientes do leite (o mesmo acontece com nós humanos). Logo, o leite serve mais para degustação do que realmente para alimentação. 

Queijo: cães podem comer queijo em quantidades pequenas a moderadas, desde que não sejam intolerantes à lactose. Muitos tipos de queijo podem ter alto teor de gordura, então escolha variedades com menos gordura, como queijo cottage ou queijos brancos. 

Presunto: certamente não é o alimento mais saudável para cães por ser rico em sódio e gordura. Não crie um hábito contínuo de alimentar seu cão com o que você está comendo. E não se esqueça que temos qualidades diferentes de presunto, alguns com muito mais gordura do que outros. Logo, quanto mais “pedacinhos brancos” (de gordura) tiver no seu presunto, menor deve ser o acesso do seu cão a ele. 

Alimentos permitidos

Trigo / grãos: cães não precisam ter uma dieta sem grãos; é perfeitamente aceitável que eles os comam com moderação. De fato, grãos como trigo e milho são ótimas fontes de proteínas, ácidos graxos essenciais e fibras. Se o seu cão tem certas alergias, no entanto, pode ser melhor evitar. Peça recomendações ao seu veterinário.

Quinoa: com frequência, a quinoa é ingrediente em alguns alimentos secos para cães de alta qualidade. O forte perfil nutricional da quinoa a torna uma alternativa saudável ao amido de milho, trigo e soja, que são frequentemente usados ​​para fazer ração.

Castanha de caju: o caju é bom para cães (com moderação!). Castanhas de caju têm cálcio, magnésio, antioxidantes e proteínas. No entanto, mesmo contendo menos gordura do que outras nozes, castanhas de caju em excesso podem levar ao ganho de peso e a outras condições relacionadas à gordura. Castanhas de caju fazem um belo petisco, mas apenas se não forem salgadas.

Amendoim: ao contrário das amêndoas, os amendoins são seguros para cães. Eles contém gorduras boas e proteínas que podem beneficiar o seu cão. Certifique-se de dar amendoim com moderação, pois você não quer seu cão ingerindo muita gordura, mesmo que essa gordura seja considerada boa. Gordura em excesso pode causar problemas no pâncreas. Evite amendoins salgados.

Manteiga de amendoim: a manteiga de amendoim pode ser uma excelente fonte de proteína. Contém gorduras saudáveis ​​para o coração, vitaminas B e E e niacina. Manteiga de amendoim crua e sem sal é a opção mais saudável. Leia atentamente o rótulo para garantir que a manteiga de amendoim não contenha xilitol, um substituto do açúcar altamente tóxico para cães.

Milho: o milho é um dos ingredientes mais comuns na maioria dos alimentos para cães. No entanto, a espiga pode ser de difícil digestão para cachorros, chegando a causar bloqueios intestinais; portanto, se você estiver compartilhando um pouco de milho, verifique se está fora da espiga e sem sal.

Pipoca: a pipoca sem sal, sem manteiga e feita na panela ou em pipoqueiras elétricas (nada de microondas) é boa para o seu cão, mas com moderação. Contém riboflavina e tiamina, que promovem a saúde e digestão molecular, além de pequenas quantidades de ferro e proteína. Tome cuidado com o milho não estourado. 

Iogurte: iogurte natural é um lanche perfeitamente aceitável. Alguns cachorros podem ter problemas para digerir produtos lácteos. As bactérias ativas no iogurte podem ajudar a fortalecer o sistema digestivo com probióticos. Iogurte natural (sem sabor) é a melhor escolha. Evite qualquer iogurte com adição de açúcar e pule iogurtes com adoçantes artificiais.

Coco: o coco contém ácido láurico, que ajuda no combate a bactérias e vírus. Também pode ajudar com o mau hálito e com condições da pele, como alergias a pulgas e coceiras. O leite de côco e o óleo de coco também são seguros para os cães. Caso você dê a fruta inteira para o seu cão “destruir”, certifique-se de que ele não irá comer a parte fibrosa. As fibras do coco podem causar uma obstrução no sistema digestivo.

Ovos: são uma ótima fonte de proteína para cachorros. Existem algumas controvérsias em relação a como você deve servir o ovo ao seu cachorro. Alguns nutricionistas dizem que o ideal é que eles estejam totalmente cozidos. Os ovos cozidos são uma fonte maravilhosa de proteínas e podem ajudar com dores de estômago. Outros nutricionistas defendem que eles também podem ser ingeridos crus, o que vai contra os que alegam que comer claras de ovos cruas pode contribuir para a deficiência de biotina (gerando problemas de pele). Portanto, caso você queira ter certeza que não causará nenhum mal ao seu amigo, cozinhe os ovos completamente antes de oferecê-los ao seu animal de estimação. Se a ideia do ovos crus ainda te interessa, procure um nutricionista veterinário.

Carne de porco: a carne de porco é uma proteína altamente digerível, repleta de aminoácidos, e contém mais calorias por quilo do que outras carnes. A carne de porco também tem menos probabilidade de causar uma reação alérgica em alguns animais de estimação, em comparação com outras proteínas. A carne crua também é uma alternativa, porém qualquer carne oferecida crua deve passar por uma processo de sanitização. Cada tipo de carne tem um tempo certo para ser mantido congelado antes de ser servida ao cão. Assim, asseguramos que não existe contaminação.

Peixe: peixes contém boas gorduras e aminoácidos, dando ao seu cão um ótimo impulso na saúde. Salmão e sardinha são especialmente benéficos; o salmão é carregado com vitaminas e proteínas e a sardinha possui ossos moles e digeríveis para obter cálcio extra. Com exceção das sardinhas, certifique-se de retirar todas as espinhas do peixe. Nunca forneça peixe cru ou mal cozido, apenas totalmente cozido. Limite a ingestão de peixe do seu cão a não mais que duas vezes por semana.

Salmão: conforme mencionado acima, o salmão totalmente cozido é uma excelente fonte de proteínas, gorduras boas e aminoácidos. Promove a saúde das articulações e do cérebro e melhora os sistemas imunológicos de cães. No entanto, o salmão cru ou mal cozido contém parasitas que podem deixar os cães muito doentes, causando vômitos, diarréia, desidratação e, em casos extremos, até o óbito. Certifique-se de cozinhar bem o salmão antes de servi-lo ao seu cão. 

Camarão: de vez em quando, camarões podem ser benéficos, mas somente se estiverem totalmente cozidos e a casca (incluindo a cauda, ​​a cabeça e as pernas) for removida completamente. É nessa parte que normalmente ficam as substâncias responsáveis por processos alérgicos, tanto nos cães como nos humanos. O camarão é rico em antioxidantes, vitamina B-12 e fósforo, e também possui baixo teor de gordura, calorias e carboidratos.

Atum: em pequenas quantidades, o atum fresco cozido é uma excelente fonte de ácidos graxos ômega-3, que promove a saúde do coração e dos olhos. Quanto ao atum enlatado, ele contém pequenas quantidades de mercúrio e sódio e, por isso, deve ser evitado em excesso. Um pouco de atum enlatado e água de atum pode ser bom (nem pensar em óleo!), desde que não contenha temperos.

Peru: a carne de peru pode ser uma opção saudável para cachorros. Certifique-se de remover o excesso de gordura e pele da carne. Não se esqueça de procurar por ossos; os ossos das aves são ocos e podem criar lascas e farpas durante a digestão, causando obstrução ou até fissuras (cortes) no caminho percorrido.

Mel: o mel possui inúmeros nutrientes, como vitaminas A, B, C, D, E e K, potássio, cálcio, magnésio, cobre e antioxidantes. Alimentar cães com pequenas quantidades de mel pode ajudar com alergias, pois introduz pequenas quantidades de pólen em seus sistemas, criando imunidade a alérgenos da sua área. O mel também é muito utilizado nas áreas rurais como tratamento tópico para queimaduras e cortes superficiais.

Na dúvida se algum alimento é seguro ou não, opte por não dar. A melhor opção é sempre consultar um veterinário. A alimentação natural pode ser uma ótima opção para o seu cachorro, mas caso você seja fiel a alimentação seca, use a alimentação natural como petiscos saudáveis. Nunca se esqueça: nada de tempero. Seu cão não pode comer alimentos com especiarias, sal ou açúcar adicional. O que para nós pode dar só um “gostinho” diferente, pode desequilibrar todo o organismo do seu cãozinho. E aí, qual é a comida preferida do seu cachorro? Marque @goappbr nas redes sociais!

SobreNathalia e um paciente

Nathália é veterinária e, como boa profissional da área, é completamente apaixonada por bichos. É especializada em tratamento intensivo e internação de animais domésticos. Teve bichos sua vida inteira e hoje divide apartamento com duas gatinhas bem peculiares.